Sete filmes inspirados por livros clássicos da literatura brasileira

foto
Cena do filme Macunaíma

Cena do filme Macunaíma (Reprodução/Divulgação)

Nada substitui a leitura direta das obras literárias abordadas nos vestibulares. Mas os filmes que se baseiam nesses livros podem ampliar a compreensão a seu respeito. Muitos fornecem uma visão crítica das obras e até ajudam a memorizar os personagens, o espaço e o enredo. Vale a pena, então, procurar pelos títulos que foram adaptados para outras linguagens.

Lembre-se, porém, de que um filme não tem o compromisso de seguir fielmente a história na qual se inspirou. É outra criação artística, que amplia e enriquece a original.

MACUNAÍMA

Baseado na obra homônima de Mario de Andrade.

Direção: Joaquim Pedro de Andrade (1969). Colorido, 108 minutos. Elenco: Paulo José, Grande Otelo, Dina Sfat, Milton Gonçalves, Jardel Filho.

Sinopse: O herói sem caráter, que nasceu na selva e chegou à cidade para viver várias aventuras, ganhou nessa adaptação cores tropicalistas. O diretor Joaquim Pedro de Andrade fez uma leitura particular da obra de Mario de Andrade sem pretender a fidelidade absoluta ao livro.

A HORA DA ESTRELA

Baseado no romance homônimo de Clarice Lispector.

Direção: Suzana Amaral (1985). Colorido, 96 minutos. Elenco: Marcélia Cartaxo, José Dumont, Fernanda Montenegro.

Sinopse: Conta a história de Macabéa, migrante nordestina que trabalha como datilógrafa e perde o namorado para uma colega de trabalho. Ela recorre a uma cartomante para pedir conselhos amorosos e recebe dela a previsão de que encontrará um homem bonito e rico. O filme recebeu mais de 20 prêmios no Brasil e no exterior.

MEMÓRIAS PÓSTUMAS

Baseado no romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.

Direção: André Klotzel (2001). Colorido, 101 minutos. Elenco: Reginaldo Faria, Sônia Braga, Walmor Chagas, Stepan Nercessian, Petrônio Gontijo.

Sinopse: O filme mostra a vida de Brás Cubas, contada por ele mesmo depois de sua morte. Entre as adaptações que o texto sofreu nessa produção, há um fator temporal. É como se o protagonista tivesse saído da tumba para contar sua história no ano 2000.

O TEMPO E O VENTO

Baseado na obra homônima de Erico Verissimo.

Direção: Paulo José, Walter Campos e Denise Saraceni (1985). Colorido, 7 horas e 30 min. (minissérie da Rede Globo). Elenco: Tarcísio Meira, Glória Pires, Armando Bogus, Lélia Abramo.

Sinopse: Essa produção, lançada em DVD em 2005, havia sido um sucesso na TV 20 anos antes. Conta a história de Ana Terra, do Capitão Rodrigo Cambará e de Bibiana, que estão no romance O Continente, integrante da obra O Tempo e o Vento.

POLICARPO QUARESMA, HERÓI DO BRASIL

Baseado no romance Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto.

Direção: Paulo Thiago (1998). Colorido, 123 min. Elenco: Paulo José, Giulia Gam, llya São Paulo, Antônio Calloni, Bete Coelho.

Sinopse: O major Policarpo Quaresma é um visionário, que ama o Brasil e quer seu progresso. Suas propostas, porém, são tidas como fora da realidade, e ele é criticado ao propor o tupi-guarani como língua oficial do país. Policarpo recebe ajuda de sua afilhada Olga e do compositor de modinhas Ricardo Coração dos Outros.

O AUTO DA COMPADECIDA

Baseado na peça Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna.

Direção: Guel Arraes (2000). Colorido, 104 min. Elenco: Matheus Nachtergaele, Selton Mello, Fernanda Montenegro, Rogério Cardoso, Denise Fraga, Diogo Vilela, Marco Nanini.

Sinopse: As aventuras de João Grilo, nordestino esperto que vive de enganar os ricos e poderosos, e seu parceiro Chicó. Versão para o cinema de minissérie produzida para a televisão, o filme foi vencedor do Grande Prêmio Cinema Brasil nas categorias diretor, ator, roteiro e lançamento.

VIDAS SECAS

Baseado na obra homônima de Graciliano Ramos.

Direção: Nelson Pereira dos Santos (1963). Preto-e-branco, 103 min. Elenco: Átila Iório, Maria Ribeiro, Orlando Macedo, Jofre Soares.

Sinopse: Uma das principais produções do cinema novo brasileiro, conta a história de uma família de retirantes que atravessa o sertão para fugir da seca, na companhia da cadela Baleia. Premiado em festivais internacionais, foi indicado pelo British Film Institute como uma das 360 obras que não podem faltar em uma cinemateca.

*Publicado no Guia do Estudante.